RECOMENDAÇÃO DO MP NÃO DESCREVE VALOR DO ERÁRIO A SER DEVOLVIDO PELO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE AÇAILÂNDIA


O município de Açailândia está a 566 km da capital São Luís, e tem sido palco de cenas inusitadas na atual conjuntura da câmara de vereadores.

Além do inusitado afastamento de 9 (nove) parlamentares, um contrato com a empresa Amadeus Pereira da Silva Sociedade Individual de Advocacia no valor de R$ 180.000,00 (Cento e oitenta mil reais), palco de um imbróglio jurídico que defendeu os parlamentares que retornaram ao cargo, foi contemplada com um contrato pela câmara de vereadores de Açailândia.

A situação que o Ministério Público recomendou ao presidente da Câmara de Vereadores de Açailândia, Feliberg Melo (Republicanos), o cancelamento do contrato pelo fato de um dos advogados terem defendido parte da vereança em uma ação privada, foi palco de insinuações e desconforto.

Empresa contratada por meio de inexigibilidade de licitação, onde a promotoria pública de Açailândia solicitou providencias legais para imediato cancelamento do contrato e devolução do erário público de quaisquer valores pagos ao escritório advocatício em decorrência da contratação questionada em um prazo de 10 (dez) dias a contar do dia 19 de abril de 2021.

A recomendação, não isenta o ilicito, já que a constituição federal de 1988, traz princípios (expresso e explícitos) que deve ser observado pelo administrador público em sua atuação administrativa, num estado de direito, admitir a pratica de atos atentatórios à imoralidade administrativa.

O MP que deve sim, oferecer denúncia por improbidade, por mais que tenha feito a recomendação, não anula o ilícito, já que se trata de desvio de finalidade e não de coletividade como deveria dirimir o administrador outorgado pela maioria e que as funções administrativas não podem oferecer a determinado grupo vantagens ou privilégios que venha constranger os demais ocupantes ou gerar neles tais sentimentos. 

O legislativo que tem o dever de fiscalizar o executivo precisa estar moralmente concentrado para consequente violação da liberdade dos indivíduos decorrente dos abusos do executivo na função administrativa.

A exemplo da decisão assistida, seria inocente, aquele que devolver-se proventos que no exercício de suas funções sem a devida permissão, mas outorgado por seus patrões, fizera uso em suas particularidades por excesso de confiança? não estaria a cometer ilícito?  Será que esse cidadão teria o mesmo privilégio, como o que foi recomendado?

A recomendação do MP, fere o art. 7ª da constituição, "Todos são iguais perante a lei e sem distinção". O precedente deixa desconfortável parlamentares que semelhantemente cometeram os mesmos erros, com punições mais severas além da recomendação.      

A justiça não fere princípios, para justificar ou amenizar erros prematuros ou acidentais, todo homem que tem o poder tende abusar dele, ele vai até onde encontrar limites, administrar é dirigir recursos humanos, financeiros e materiais, desenvolver uma gestão baseada na verdade, e não em sentido subjetivo, para o cumprimento da finalidade pública.

Quando decisões erradas são tomadas gera na população o sentimento de impunidade, e para queles que comete o ilícito, o vício de que a lei é frouxa, e que a serenidade para coisa pública anda as escuras.

 Por

    Marcio Morais







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FELIBERG SAI DE FININHO PARA NÃO RECEBER PROTOCO DE SUPLENTE DE VEREADOR

UM POUCO DA HISTÓRIA DA VEREADORA ROBENHA DA SAÚDE

PRIMEIRO ANO DA ADMINISTRAÇÃO DO PREFEITO ALUISIO SOUSA